ACESSO RESTRITO

Problemas e Soluções

Moldagem por Injeção

1. Rebarba na Peça
Resina muito quente. Reduzir a temperatura do cilindro.
Alimentação excessiva. Reduzir a pressão de recalque.

Reduzir a quantidade de resina injetada.
Pressão de injeção muito alta. Diminuir a pressão de injeção.
Alinhamento inadequado do molde. Alinhar o molde.
Resina com índice de fluidez muito alto. Utilizar resina com menor índice de fluidez.
Pressão de fechamento do molde muito baixa. Colocar o molde em máquina com maior pressão de fechamento.
Orifícios de saída de gases muito grandes. Diminuir as saídas de gases do molde.
Relevo sobre as faces do molde / ou faces do molde gastas. Verificar a existência de alto ou baixo relevo nas interfaces do molde.
Velocidade de injeção muito alta. Aumentar o tempo de injeção.

2. Peças Presa no Molde
Peça muito flexível. Utilizar resina com densidade mais alta.
Temperatura muito alta do molde ou da resina. Reduzir a temperatura do molde ou de resina.

Aumentar o ciclo de máquina.
Exesso de compactação da resina no molde. Reduzir a pressão de injeção e/ou recalque.

Diminuir a carga de injeção e/ou o tempo de recalque.

Diminuir a alimentação.

Ajustar a válvula de controle de fluxo para reduzir a velocidade de preenchimento do molde.
Sistema extrator deficiente ou mau projetado. Otimizar o sistema extrator.
Presença de ranhuras ou rebarbas. Retificar o molde.
Superfície do molde danificado ou com polimento insuficiente. Polir o molde.
Desenho dos ângulos da cavidade deficiente. Diminuir os cantos vivos do molde.

3. Canais de Alimentação Presos ao Molde
Resina muito fluída no canal. Aumentar o ciclo da máquina.
Temperatura da resina no canal muito alta. Reduzir a temperatura da resina e/ou do molde.
Excesso de empacotamento da resina no canal. Reduzir a pressão de injeção e/ou recalque.

Reduzir a carga da resina e/ou o tempo de recalque.

Reduzir a alimentação da injetora.

Ajustar a válvula de controle.
Bico de injeção muito quente. Reduzir a temperatura do bico.
Ranhuras, rebarbas, danos ou polimento do canal deficiente. Retificar ou substituir a bucha do canal.
Orifício do bico de injeção inadequado. Usar bico com orifício menor que o orifício do canal.
Conicidade irregular do canal. Alinhar o bico adequadamente.

Aumentar a conicidade do canal.
Conicidade irregular do canal. Alinhar o bico adequadamente.

Aumentar a conicidade do canal.
Conicidade irregular do canal. Alinhar o bico adequadamente.

Aumentar a conicidade do canal.

4. Linha de Solda com Baixa Resistência
Temperatura da resina e/ou do molde muito baixa. Aumentar a temperatura da resina e/ou do molde.
Velocidade de injeção muito baixa. Aumentar a pressão de injeção.

Otimizar a taxa de preenchimento do molde.
Distância entre o canal e a linha de solda muito grande. Diminuir a distância entre o canal de entrada e a linha de solda.
Contaminação na superfície do molde. Limpar a superfície do molde.
Ar aprisionado no molde. Otimizar as saídas de gases do molde.
Espessura muito fina na linha de solda. Aumentar a espessura da parede da peça na área da linha de solda.
Resina de índice de fluidez muito baixo. Usar resina com índice de fluidez maior.

5. Delaminações do Material na Entrada do Molde
Temperatura do molde ou da resina muito baixa. Aumentar a temperatura do molde e/ou da resina.

Aquecer a área ao redor do canal de injeção.
Superfície do molde muito espalhada na entrada do molde. Diminuir o polimento do molde.
Baixa velocidade de injeção. Aumentar a velocidade de injeção.

Adicionar uma saída de material do lado oposto da entrada do molde.
Entrada de injeção muito estreita. Aumentar a entrada da injeção.
Molde de revestimento de CROMO. Não usar revestimento de CROMO no molde.
Resina com densidade muito baixa. Usar uma resina com densidade maior.

6. Injeção Incompleta
Temperatura do molde e/ou resina muito baixa. Aumentar a temperatura do molde e/ou do bico de injeção e/ou da resina.
Alimentação insuficiente. Aumentar a pressão de injeção e/ou pressão de recalque.

Aumentar a alimentção da máquina.

Aumentar a contra pressão.

Verificar o funil de alimentação (entupimento).
Projeto do molde defíciente. Aumentar o canal de injeção e os canais de distribuição.

Aumentar os respiros no molde.

Aumentar a espessura das paredes do molde.

Aumentar o número das entradas de injeção.
Índice de fluidez de resina. Usar resina com índice de fluidez maior.
Velocidade de injeção muito baixa. Aumentar a velocidade de injeção.

7. Empenamento Excessivo
Peças sendo forçada durante a extração. Verificar sistema de extração.
Peças extraída com temperatura muito alta. Verificar a temperatura do molde e da resina fundida.

Aumentar o ciclo de máquina.
Excesso de compactação da resina do molde. Otimizar a pressão de injeção e/ou recalque.

Diminuir a alimentação da resina na injetora.

Ajustar a válvula de fluxo para otimizar a velo- cidade de injeção.
Espessura da parede da peça não uniforme. Redesenhar a peça aumentando a uniformidade das paredes.
Projeto ou localização inadequada da entrada do molde Redesenhar ou mudar a localização das entradas do molde.
Temperatura não uniforme do molde. Otimizar o resfriamento do molde.
Resina inadequada. Ultilizar resina com densidade diferente.

Ultilizar resina com índice de fluidez maior.
Sistema de extração inadequado. Otimizar o sistema de extração da peça.

8. Peças Incompletas ou Chupagem
Alimentação insuficiente do molde. Aumentar a pressão de injeção e/ou a de recalque.

Aumentar a contrapressão.

Aumentar a alimentação da injetora.
Entrada de injeção e/ou canal de alimentação e/ou bico de injeção muito estreito. Aumentar a entrada de injeção e/ou canais de distribuição e injeção e/ou bico de injeção.
Não uniformidade na espessura da parede do molde. Redesenhar a peça com maior uniformidade de paredes.
Localização da entrada do molde não adequada. Otimizar o local de entrada da injeção.
Índice de fluidez da resina não adequado Usar resina com índice de fluidez diferente.
Peça injetada muito quente. Aumentar o ciclo da máquina.
Temperatura de fusão incorreta. Aumentar a temperatura da resina e/ou do molde.

9. Marca de Fluxo e/ou Defeitos de Superfície
Temperatura da resina e/ou molde muito baixa. Aumentar a temperatura da resina e/ou do molde e/ou bico de injeção.
Contaminação ou umidade na resina. Ultilizar resina sem contaminação e umidade.
Velocidade de injeção inadequada. Aumentar velocidade de injeção.
Molde sem polimento suficiente. Melhorar a limpeza e polimento do molde.
Defeito na entrada de injeção. Redesenhar e/ou mudar a localização das entradas de injeção.
Resina com índice de fluidez muito baixo. Ultilizar resina com índice de fluidez maior.
Resina degradada. Ajustar a temperatura do cilindro e/ou a contrapressão.

Limpar a rosca e o bico de injeção.

10. Peças Fracas ou Quebradiças
Temperatura do molde e/ou da resina muito baixa. Aumentar a temperatura da resina e/ou do molde.
Excesso de compactação da resina dentro do molde. Ajustar a pressão de injeção e/ou de fechamento.

Ajusta a alimentação e/ou o tempo de recalque.
Ciclo de máquina muito curto. Aumentar o ciclo de máquina.
Projeto do molde inadequado. Eliminar cantos vivos na peça.

Aumentar a espessura da parede da peça.

Aumentar a entrada de injeção e/ou o canal de alimentação e/ou canais de distribuição e/ou bico de injeção.
Resina degradada e/ou contaminada. Limpar a rosca e/ou o bico de injeção.

Reduzir a contra pressão.
Índice de fluidez da resina e/ou densidade muito altos. Usar resina com menor índice de fluidez e/ou menor densidade.
Peça montada muito quente. Montar a peça quando fria.

11. Quebra Sob Tensão Ambiental (Stress-Cracking)
Temperatura da resina e/ou molde muito baixa. Aumentar a temperatura do molde e/ou da resina.

Aumentar a velocidade de injeção.
Excesso de compactação da resina no interior do molde. Ajustar a pressão de injeção e/ou recalque.

Ajustar a alimentação.
Ciclo de máquina muito reduzido. Aumentar o ciclo de máquina.
Substância agressiva na superfície da peça. Eliminar a presença de substância agressiva em contato com a peça.
Projeto do molde inadequado. Eliminar cantos vivos na peça.

Aumentar a entrada de injeção e/ou o canal de alimentação e distribuição e/ou bico de injeção.
Resina degradada ou contaminada. Limpar a rosca e o bico de injeção.

Eliminar a contaminação da resina.
Índice de fluidez e/ou densidade muito altos da resina. Utilizar resina com índice de fluidez e/ou densidade menores.
Peça montada muito quente. Montar a peça somente quando estiver fria.

12. Contração Excessiva
Temperatura do molde e/ou da resina inadequada. Otimizar a temperatura da resina e/ou do molde.
Falta de compactação da resina dentro do molde. Aumentar a pressão de injeção e/ou de recalque.

Ajustar a velocidade de injeção.
Ciclo de máquina muito reduzido. Aumentar o ciclo de máquina.

Otimizar o resfriamento do molde.
Projeto de molde inadequado. Aumentar a entrada de injeção e/ou canal de de alimentação e/ou bico de injeção.
Resina com densidade muito alta. Usar resina com menor densidade.
Resina com índice de fluidez muito baixo. Usar resina com maior índice de fluidez.

13. Baixo Brilho
Temperatura do molde e/ou da resina muito baixa. Aumentar a temperatura da resina e/ou do molde.
Velocidade ou pressão de injeção muito baixa. Aumentar a velocidade e/ou pressão de injeção.
Baixo polimento da superficie do molde. Limpar ou polir a superfície do molde.

Cromar a superfície do molde.
Resina contaminada. Usar resina livre de contaminações.
Respiro do molde insuficiente. Otimizar os respiros do molde.
Densidade da resína muito baixa. Usar resina com maior densidade.
Índice de fluidez da resina muito baixo. Usar resina com maior índice de fluídez.
Voltar para o topo
EMPRESA DE TERMOPLÁSTICOS DO NORDESTE ETENO LTDA
eteno@eteno.com.br

Rua Dr. José Pacífico Pereira, 93 - Boa Viagem - Recife-PE
CEP: 51130-610 | Tel/Fax: (81) 3342.2323

Rua D Poloplast, S/N, Galpão 04 - Ponto Certo - Camaçari-BA
CEP: 42801-170 | Tel/Fax: (71) 3454.1300
Parceiros
 
ZAITE Tecnologia